Arquivo do mês: março 2014

Imagem

Curso de aperfeiçoamento da Equipe de Engenharia da SUPREMO Ambiental.

Curso SUPREMO

Anúncios

Trabalho SUPREMO, monitoramento de ruído e controle da qualidade das águas superficiais e subterrâneas.

MONITORAMENTO DE RUÍDO e CONTROLE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEAS.
(Cliente: VOTORANTIM S.A.-Edealina).SUPREMO na Votorantim

Programa de Controle de Erosão, Assoreamento e Manejo do Solo da VOTORANTIM CIMENTOS S.A. – Edealina, realizado pela SUPREMO Ambiental.

Consultoria especializada SUPREMO ambiental

Consultoria especializada com suporte total aos nossos clientes e parceiros desde o protocolo até a liberação da autorização ambiental; mais de 2.000 empreendimentos licenciados ou outorgados em Goiás, Distrito Federal e Tocantins; todos os projetos são elaborados após Levantamento Técnico, no local, com obtenção das coordenadas geográficas ou UTM e relatório fotográfico; emissão de Laudos Técnicos Simplificados com relatório fotográfico, enumerando oportunidades de melhoria no controle da poluição (ar, água e solo); acompanhamento dos processos do início até a aprovação do projeto ambiental e muito mais.
divulgacaosupremo2003

SUPREMO Ambiental; nosso DNA é entregar resultados, de forma rápida, simples e relevante.

Faça uma visita à nossa sede (ao lado da SemaRh).

SUPREMO realizando curso de capacitação de Professores em Educação Ambiental

Com mais de 11 anos, de soluções específicas e também integradas, em meio ambiente, a SUPREMO Ambiental, realiza mais uma etapa do curso de Capacitação de Professores em Educação Ambiental, para a VOTORANTIM Cimentos; realizado nos dias 11/03 em Edealina, 12/03 em Edéia e 13/03 em Indiara, no período noturno (18:00 às 22:00). Ministrado pela Historiadora da SUPREMO Ambiental, Ms. Rúbia Carla M. Rodrigues.
Curso de Capacitação de Professores
imagecapacitacaosupremo

Governo modifica regra para cessão de terras na Amazônia

O governo federal iniciou uma ofensiva para destravar o processo de concessões florestais, que disponibilizam áreas da Amazônia para extração controlada de madeira, mas cujo interesse pelas empresas têm sido baixo.

A expectativa é colocar cerca de 1,5 milhão de hectares em concessão até o fim do ano. As áreas são exploradas por técnicas de manejo que dão tempo de a floresta se regenerar, minimizando o impacto ao meio ambiente.Desm_amazon

Atualmente, porém, apenas 111,8 mil hectares de florestas nacionais são explorados por meio de concessões, modelo criado em 2006 mas que ainda não deslanchou.

Algumas licitações não têm nenhuma empresa interessada, enquanto outras tiveram problemas como atrasos burocráticos, questionamento do resultado de concorrências na Justiça e empresas inabilitadas por não cumprirem os requisitos.

Para contornar a dificuldade, o SFB (Serviço Florestal Brasileiro), órgão do Ministério do Meio Ambiente que cuida do assunto, alterou editais para torná-los mais atrativos e lançou uma rodada de licitações de larga escala no segundo semestre de 2013.

Os gargalos, porém, não foram totalmente superados. Nenhuma empresa apresentou proposta para explorar os 303 mil hectares da Floresta de Amana (Pará). Não houve concorrente para a maior parte dos 440 mil hectares da Floresta de Crepori (Pará).

Isso frustrou a expectativa inicial do SFB de chegar ao fim de 2014 com 2 milhões de hectares sob exploração ou em processo de concessão.

Atualmente há cerca de 640 mil hectares em processo de licitação e, para o segundo semestre, estão previstos dois novos editais totalizando 590 mil hectares.